Brasil tem melhora na exportação de mel

Brasil tem melhora na exportação de mel

7 de julho de 2015

O forte crescimento das exportações de mel em 2014 permitiu ao Brasil avançar seis posições no ranking mundial, saindo da 14ª para a 8ª posição em termos de valor, segundo dados da área de inteligência comercial da Associação Brasileira de Exportadores de Mel (Abemel), com base nos indicadores sobre exportações globais da  TradeMap.

Foram vendidos no ano passado o equivalente a US$ 98,5 milhões, aumento de 82% em relação a 2013. Na liderança do ranking está a China, seguida por Argentina, Nova Zelândia, México, Alemanha, Vietnã e Espanha.

Também em termos de quantidade de mel exportada o Brasil melhorou sua marca, subindo também para o 8º lugar (antes era o 11º exportador).

Essa melhora significativa na posição do ranking se deve à qualidade do mel brasileiro, reconhecidamente um dos melhores do planeta, por ser livre de resíduos e agrotóxicos, afirma Flávia Salustiano, gerente executiva da ABEMEL. “É também resultado do trabalho de promoção comercial e inserção dos produtos apícolas no exterior desenvolvido junto a parceiros e entrepostos como parte do Projeto Brazil Let’s Bee, uma parceria bem sucedida entre a ABEMEL e Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil)”, destaca Flávia.

No período de janeiro a maio de 2015, as vendas de mel brasileiro para o exterior tiveram uma redução de 15,20% em termos de valor e de 17,87% em volume. A desaceleração nas exportações se deve aos estoques elevados de mel, ao aumento da produção em alguns países e à safra recorde do produto nos EUA.

Os Estados Unidos continuam sendo o principal destino do mel brasileiro, respondendo por 71,9% das exportações entre janeiro e maio de 2015 – embora, quando comparada a igual intervalo de 2014, a participação do mercado norte-americano diminuiu 26% em valor. Em contrapartida, as exportações para os países europeus cresceram 85% em comparação ao mesmo período (janeiro-maio de 2014), e agora a região responde por 17,6% das exportações de mel brasileiro.

 

Fonte: Revista Dinheiro Rural

Compartilhe: