Rota do Mel profissionaliza mais de 26 mil produtores

Rota do Mel profissionaliza mais de 26 mil produtores

11 de Janeiro de 2018

Mais de 26 mil produtores de mel do País, especialmente do semiárido, estão sendo assistidos por programa desenvolvido pelo Ministério da Integração Nacional destinado a estruturar e aprimorar a atividade apícola. Desde 2001, por meio da iniciativa “Rota do Mel”, a pasta investiu R$ 49 milhões em cursos de capacitação e na compra de kits com equipamentos para os produtores familiares.

A apicultura é uma alternativa importante para a diversificação da atividade econômica nas regiões que sofrem com a estiagem porque apresenta baixo investimento de implantação e custo, bem como rápido retorno financeiro. Segundo o ministério, muitas das famílias atendidas já criavam abelhas e produziam mel, mas sem os equipamentos e as técnicas adequadas.

Os kits distribuídos aos produtores são compostos por colmeias, melgueiras, suporte, cera, equipamentos de proteção individual, carretilha manual, formão e fumigador. O treinamento envolve noções teóricas e práticas sobre a anatomia e biologia das abelhas, floradas apícolas, instalação de apiários, métodos de povoamento e de manejo das colmeias, uso dos materiais necessários, controle fitossanitário e a relação das abelhas com o meio ambiente, dentre outros temas. Os investimentos também englobam a construção de várias Unidades de Extração de Produtos da Abelha e de Beneficiamento de Mel em diversos municípios.

Um exemplo a ser destacado é em Minas Gerais. Em parceira com a Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), foram implementadas ações em 54 municípios mineiros, com investimentos de mais de R$ 5 milhões nos últimos cinco anos. Em Bocaiuva, foi construído um entreposto, que começará a operar neste ano e irá ampliar a capacidade da produção regional. O Entreposto de Bocaiuva será responsável por receber o mel produzido na região, processar, embalar e organizar a distribuição e comercialização. O trabalho antes era realizado há cerca de 400 quilômetros da região, encarecendo os custos do produto.

Segundo a Associação Brasileira de Exportadores de Mel (Abemel), em 2015, o Brasil exportou 22,2 mil toneladas do produto. Ainda de acordo com a entidade, a região semiárida alcança posição de destaque no mercado devido ao fato do produto ter baixa contaminação por pesticidas, já que a produção é proveniente de florada de vegetação nativa.

Fonte: Universo Agro

Compartilhe: