Árvore símbolo da Amazônia, castanheira-do-brasil depende de abelhas nativas para se reproduzir

Árvore símbolo da Amazônia, castanheira-do-brasil depende de abelhas nativas para se reproduzir
junho 15 02:23 2016 Imprima Este Artigo

Por Márcia Maués

A castanheira-do-brasil (Bertholletia excelsa Bonpl., Lecythidaceae) é uma das árvores mais exuberantes da Floresta Amazônica, podendo alcançar até 50 metros de altura. Produz frutos esféricos chamados ouriços, com uma casca muito rígida, difícil de abrir, com de 10 a 25 sementes (amêndoas) saborosas que podem ser consumidas in natura ou industrializadas. São  ricas em proteínas, carboidratos, lipídios, vitaminas e selênio, e apreciadas no mundo todo.

Tem papel de destaque na sociobiodiversidade amazônica, em razão de seu uso múltiplo, especialmente como Produto Florestal Não Madeireiro desde a pré-história (Nascimento et al. 2010). O comércio secular dessa castanha é o único em que sementes são coletadas quase exclusivamente nas florestas naturais e negociadas internacionalmente (Zuidema & Boot 2002).

Até hoje, a maior parte das castanhas que consumimos ainda vem das áreas extrativistas, mas já se produz até 5% em áreas cultivadas, em modelos de cultivo consorciado (sistemas agroflorestais) ou monocultivo, e têm apresentado um excelente desempenho agronômico, despontando como alternativa para a recomposição das Áreas de Preservação Permanentes nas propriedades rurais (Homma et al. 2014).

Castanha-do-Brasil-ouriço-Crédito-Ronaldo-Rosa

Ouriços (frutos) da castanheira-do-brasil. Crédito: Ronaldo Rosa

 

 

castanha-do-Brasil-Crédito-Ronaldo-Rosa

Amêndoas (sementes) do fruto da castanheira-do-brasil. Crédito: Ronaldo Rosa

Vista-aérea-Aruanã-Crédito-Marcelo-Cavalcante

Plantio de castanheira-do-brasil. Crédito: Marcelo Cavalcante

Polinização

A Rede sobre Polinização da castanheira-do-brasil (Bertholletia excelsa, Lecythidaceae) foi um projeto financiado pelo CNPq (processo nº 556406/2009-5) que se juntou ao Projeto Global sobre Polinizadores apoiado pelo GEF/UNEP/FAO/MMA e Funbio, e promoveu avanços no conhecimento sobre a biologia da polinização, a estrutura genética e a biologia floral desta espécie símbolo da Amazônia.

A polinização é um serviço ambiental que, quando não encontra barreiras, forma frutos e sementes em maior quantidade, e com melhor qualidade, ou seja, frutos maiores, mais bonitos, mais saborosos, mais atrativos aos consumidores, e, portanto, com maior valor de mercado (Free 1993). De cada três alimentos que consumimos, um depende direta ou indiretamente dos serviços de polinização prestados pelos animais (McGregor 1976; Klein et al. 2007), e destes, um terço faz parte da nossa dieta e da alimentação dos animais silvestres (Mader et al. 2010).

As flores da castanheira têm uma morfologia peculiar, e com isso, selecionam os visitantes que tentam acessar os recursos florais oferecidos (néctar é pólen). Existe uma estrutura robusta formada por um conjunto de estaminódios que fecha a abertura da flor. Apenas as abelhas com capacidade para levantar esse capuz conseguem coletar os recursos guardados no interior da corola (Maués 2002, Cavalcante et al. 2012).

Estudos prévios mostravam que trata-se de uma espécie dependente da polinização cruzada para que ocorra a fertilização das flores e formação de frutos e sementes (Moritz 1984). A riqueza de polinizadores da castanheira-do-brasil é enorme e totalmente formada por abelhas nativas. Mais de 25 espécies de abelhas nativas de médio a grande porte (tamanho variando entre 2,5 cm a 4 cm) são responsáveis pelo fluxo de pólen entre as árvores da castanheira, derrubando teorias de que a castanheira dependeria de uma única espécie de abelha para se reproduzir, espécie esta só encontrada em áreas de floresta.

Infloresc-Brazilnut

Floração da castanheira-do-brasil. Crédito: Márcia Maués

Entre as mais de 25 espécies de polinizadores da castanheira, destacam-se os gêneros Bombus, Centris, Eulaema, Eufriesea, Epicharis e Xylocopa (Müller 1981; Maués 2002, Cavalcante et al. 2012). As espécies mais frequentes foram Xylocopa frontalis, Eulaema bombiformis, Eulaema mocsaryi, Centris denudans e Bombus transversalis (esta espécie mais comum no Estado do Pará). Essas abelhas são capazes de voar longas distâncias, e quando pousam na flor forçam a abertura do capuz com movimentos vigorosos das pernas anteriores, abaixando o capuz e conseguindo entrar total ou parcialmente na câmara corolífera. Dessa forma, elas conseguem entrar na flor e coletar pólen e néctar.

Polinizadores da castanheira-do-brasil: a) Eulaema bombiformis; b) Xylocopa frontalis; c) Bombus transversalis; d) Eulaema mocsaryi; e) Centris americana; f) Eufriesa purpurata.

Eulaema-bombiformes-CréditoMarcelo-CavalcanteXylocopa-frontalis-Crédito-Marcelo-CavalcanteBombus-transversalis-Crédito-Marcelo-Cavalcante

Eulaema-mocsaryi-Crédito-MarceloCavalcanteCentris-americana-Crédito-Marcelo-CavalcanteEufriesea-purpurata-Marcelo-Cavalcante

Crédito: Marcelo Cavalcante

Observamos que em áreas cultivadas – e em cujo entorno há florestas em bom estado de preservação –, a riqueza de polinizadores é maior do que naquelas onde o entorno já está mais alterado, com a remoção das áreas de vegetação nativa, evidenciando a importância da manutenção das áreas de vegetação como fonte de povoamento de polinizadores.

Por isso, é fundamental preservar as áreas onde essas abelhas vivem, constroem seus ninhos e se alimentam quando a castanheira não está florescendo, ou seja, as áreas de vegetação natural no entorno das áreas de cultivo. É importante ressaltar que a Rede Castanha reitera e reforça as recomendações de obediência à legislação ambiental do Brasil, através do cumprimento do Código Florestal Brasileiro, que na Amazônia preconiza a preservação de até 80% das áreas de floresta nativa da propriedade rural. Recomenda-se ainda que essas áreas de Reserva Legal e APPs estejam conectadas, para que sirvam de corredores de movimentação dos polinizadores.

Práticas amigáveis aos polinizadores da castanheira incluem também recomendações de restrição ou moderação do uso de defensivos agrícolas e do uso de fogo, priorizando o controle biológico quando necessárias medidas fitossanitárias e a agricultura sem queima. Essas ações precisam ser divulgadas entre os produtores rurais, para que sejam de fato efetivas, e para que o serviço de polinização prestado pelos polinizadores – cujo valor é inestimável – seja reconhecido.

 

Márcia Maués é pesquisadora e gestora do Núcleo Temático de Sistemas de Produção de Espécies Frutíferas e Industriais da Embrapa Amazônia Oriental.

 

Bibliografia:

Cavalcante, M.C., Oliveira, F., Maués, M.M. & Freitas, B.M. 2012. Pollination requirements and the foraging behavior of potential pollinators of cultivated Brazil nut (Bertholletia excelsa Bonpl.) trees in Central Amazon Rainforest. Psyche: A Journal of Entomology, Article ID 978019

Free, J.B. 1993. Insect Pollination of Crops. Academic Press. 768pp.

Homma, A.K.O; Menezes A.J.E.A. & Maués, M.M. 2014. Castanheira-do-pará: os desafios do extrativismo para plantios agrícolas / Brazil nut tree: the challenges of extractivism for agricultural plantations. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Naturais, Belém 9(2): 293-306.

Klein, A.M.; Vaissiere, B.E.; Cane, J.H.; Steffan-Dewenter, I.; Cunningham, S.A.; Kremen, C. & Tscharntke, T. 2007. Importance of Pollinators in Changing Landscapes for World Crops. Proceedings of the Royal Society B 274(1608):303–313.

Mader, E.; Spivak, M. & Evans, E. 2010. Managing Alternative Pollinators: A Handbook for Beekeepers, Growers, and Conservationists. NRAES, 186. Ithaca, New York. 170pp.

Maués M.M. 2002. Reproductive phenology and pollination of the brazil nut tree (Bertholletia excelsa Humb.& Bonpl.) in eastern Amazônia. In: Kevan P & V.L. Imperatriz Fonseca. Pollinating Bees – The conservation link between agriculture and nature. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, p.245-254.

McGregor, S.E. 1976. Insect pollination of cultivated crop plants. USDA Agriculture Handbook nº 494. 411p.

Moritz, A. 1984. Estudos biológicos da floração e frutificação da castanha-do-Brasil. Documentos EMBRAPA/CPATU 29: 1-78.

Nascimento, W.M.O.; Carvalho, J.E.U. & Müller, C.H. 2010. Castanha-do-brasil. Jaboticabal, FUNPE, 41p.

Zuidema, P.A.; Boot, R.G.A. 2002. Demography of the Brazil nut tree (Bertholletia excelsa) in the Bolivian Amazon: impact of seed extraction on recruitment and population dynamics. Journal of Tropical Ecology, 18:1-31.

  Categorias: