Por dentro da técnica de produção em massa de abelhas sem ferrão

Por dentro da técnica de produção em massa de abelhas sem ferrão

29 de abril de 2015

Da Redação
Produção de colônias 9 -abelhas sem ferrão  - Cristiano MenezesAlém da produção de mel, própolis e outros subprodutos, é conhecido o papel essencial que as abelhas sem ferrão (meliponíneos) exercem na polinização de culturas agrícolas, a exemplo do morango, do açaí, do café e do tomate.

Muitos agricultores, inclusive, já têm conhecimento de que, ao incrementar a polinização por meio da instalação de colmeias em suas lavouras, não apenas podem ampliar a produção como podem melhorar o tamanho dos frutos e sua qualidade.

Contudo, o Brasil não dispõe de abelhas em quantidade suficiente para ampliar o seu uso para esse fim. Para se ter uma ideia, apenas para a produção do morango, são necessárias vinte colônias de abelhas sem ferrão por hectare. Seriam necessárias, portanto, aproximadamente 60 mil colmeias para atender à produção nacional do fruto.

O biólogo e entomólogo Cristiano Menezes, pesquisador da Embrapa Amazônia Oriental, se dedica há anos ao estudo das abelhas sem ferrão e seus benefícios na agricultura. Segundo ele, o principal obstáculo a ser superado para atender à demanda no campo é a baixa quantidade de rainhas na maioria das espécies de abelhas sem ferrão, o que limita o número de colônias a serem produzidas.

Mas uma técnica aprimorada por ele, em parceria com pesquisadores de outras universidades brasileiras, deve contribuir para multiplicar o número de rainhas de abelhas sem ferrão.

Mais alimento

Menezes explica que o fator determinante para uma abelha se tornar rainha é a quantidade de alimento que ela ingere. Tendo isso como base, o pesquisador desenvolveu uma metodologia pela qual larvas recém-nascidas das abelhas receberam uma quantidade seis vezes maior de alimento.

“Todas as fêmeas se tornaram rainhas e com uma taxa de sobrevivência de até 97,9%. Nós já verificamos que essas rainhas in vitro são férteis, ou seja, elas puseram ovos e deram origem a novas colônias in vitro”, explica. “Com isso, foi possível estabelecer um protocolo, o que viabiliza comercialmente o sistema de produção, de maneira sustentável”.

Produção de colônias 3 -abelhas sem ferrão  - Cristiano Menezes

Produção de colônias – Crédito: Cristiano Menezes

Com o uso da técnica, uma colônia pode gerar 10 colônias-filhas por ano. Menezes estima que já em 2015 terão sido geradas 300 colônias, dando origem à 3 mil novas colônias-filhas que poderão ser alugadas ou compradas. Atualmente esse sistema de produção está em fase experimental, com apoio do programa FAPESP Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (PIPE). Para esse trabalho, o pesquisador conta com a colaboração da Promip, empresa especializada em manejo integrado de pragas.

O estudo de reprodução em massa das abelhas in vitro foi realizado em parceria com colegas da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP) da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade Federal Rural do Semiárido (Ufersa).

 

Ficha técnica

Entrevistado: Cristiano Menezes

Instituição: Embrapa Amazônia Oriental

Tema: Produção em massa de abelhas sem ferrão para polinização de culturas agrícolas

Compartilhe: