Planta carnívora poupa polinizadores de virarem refeição

Planta carnívora poupa polinizadores de virarem refeição

12 de março de 2018

A Dioneia mascipula é uma espécie de planta carnívora excepcionalmente norte-americana, conhecida por lá como vênus armadilha de mosca ou vênus papa-mosca. Apesar de ser uma cativante planta de jardim, sua popularidade em estufas é imbatível. Nativa de uma pequena região dos estados da Carolina do Sul e do Norte nos EUA, ela brota em áreas abertas e encharcadas. Não cresce em nenhum outro lugar do mundo.

Planta carnívora poupa polinizadores de virarem refeiçãoAssim como outras plantas carnívoras norte-americanas, a Dioneia mascipula baseia sua dieta em carne. Sua arma são estruturas que lembram mandíbulas e que se fecham em torno da presa, que na maioria das vezes são formigas e aranhas. Das 600 espécies de plantas carnívoras, apenas a vênus papa-mosca têm esse mecanismo e, apesar de famosa por isso, muito pouco se sabe de fato sobre a espécie.

Por exemplo: que inseto poderia polinizar uma planta comedora de insetos?

Suas flores precisam de agentes externos que coletem e espalhem seu pólen. “Por se tratar de uma planta carnívora, existe um potencial de conflito especial que outras plantas não têm,” diz Elsa Youngsteadt, uma entomologista da Coastal Carolina University e integrante do time que conduziu o primeiro estudo sobre os polinizadores da dioneia. Os resultados foram publicados nesta semana no jornal American Naturalist.

Youngsteadt e seus coautores fizeram quatro visitas ao território dessas plantas para coletar seus visitantes — abelhas, besouros, moscas, aranhas e outras coisas pequenas que porventura pousaram ou escalaram suas flores. Os cientistas também gentilmente abriram suas “mandíbulas” para observar o que estavam digerindo. Por fim, coletaram cerca de 400 visitantes em suas flores que se distribuíam entre 100 espécies diferentes. Também tomaram nota de 200 animais capturados. “Nos surpreendemos com a variedade que encontramos nas flores”, disse a entomologista.

Os visitantes foram colocados em gelo seco, onde foram “dormir para sempre,” segundo Youngsteadt. De volta ao laboratório, os pesquisadores pincelaram os insetos com gelatina, o que extraiu os grãos de pólen dos insetos. Contaram, então, os grãos em um microscópio para avaliar quais visitantes carregavam mais pólen de flor para flor.

Os entomologistas descobriram três espécies freguesas: uma abelha e dois besouros, todos voadores. As abelhas, que carregavam consigo aproximadamente 20 grãos de pólen cada, eram os polinizadores mais importantes da Dioneia mascipula.

Além disso, as plantas evitavam comer seus principais polinizadores. Os biólogos ficaram surpresos em descobrir que há uma diferenciação, por parte da planta, de qual inseto é refeição e qual é polinizador.

Os autores não têm uma resposta exata sobre porque as presas e polinizadores não são confundidos. Estão agora examinando as diferenças entre as flores e as mandíbulas da planta. A cor das últimas varia de vermelho a tons de verde, enquanto a flor é sempre branca. É possível que as estruturas produzam aromas específicos.

Outra diferença entre elas é a altura. As flores ficam 15 centímetros acima de suas armas letais. “A maioria dos visitantes das flores chegava voando,” disse Youngsteadt. Já as presas vinham a pé.

Fonte: The Washigton Post

 

Compartilhe: