Manejo Apícola

by Webmaster | 7 de abril de 2015 00:48

Para incrementar a sua produção, o apicultor precisa estar atento a todos os fatores que envolvem seu apiário. Veja um resumo dos principais tópicos que podem interferir na produtividade e na qualidade dos produtos apícolas.

 

Localização

Definir onde será posicionado o seu apiário é umas das decisões mais importantes do apicultor. Alguns fatores devem guiar essa decisão, que interferem nos rendimentos pretendidos, na praticidade dos trabalhos e na segurança das pessoas e animais. Para se ter sucesso nesse empreendimento, o produtor precisa levar em consideração a flora apícola, a presença de locais abrigados por árvores ou cercas-viva (conhecidos como quebra-ventos), sombreamento, topografia, condições do ambiente, facilidade de acesso e segurança.

O ideal é que o pasto apícola seja próximo às colônias, abundante, diverso e que não tenha interrupções das floradas ao longo do ano. A distância que as abelhas vão percorrer para coleta de néctar e pólen é outro fator que impacta diretamente a produção de mel. Isso, porque, se as operárias precisarem voar longas distâncias para procurar fontes de alimento, elas gastam muito mais tempo e energia para retornarem para suas colônias, em relação àquelas operárias que voam para locais mais próximos. Consequentemente, quanto mais as abelhas trabalham, maior o desgaste e menor o tempo de vida.

Normalmente, uma abelha faz sua coleta num raio de 3 km, mas é capaz de voar o dobro dessa distância em caso de fonte abundante de néctar. Dentro dessa lógica, a localização de fonte de água também é muito importante. O ideal é que ela esteja a cerca de 500 m das colmeias. Caso o terreno não ofereça essa opção, é necessário instalar bebedouros. A água é uma fonte essencial para manter o equilíbrio térmico dos enxames, pois é usada para refrigerar o ninho quando a temperatura externa está muito elevada.

O clima não deve ser muito frio nem muito quente e o ideal é que conte com estações secas e úmidas definidas. Nessa condição, há maior concentração de floradas depois do período chuvoso.

Para evitar os riscos de contaminação, o apiário deve ficar a pelo menos 3 km de lixões, aterros sanitários, lagoas de decantação de resíduos, engenhos e outros ambientes que podem comprometer a qualidade da produção apícola.

A Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio) também estabelece a separação mínima de 1 km entre novos apiários e áreas experimentais para plantio de organismos geneticamente modificados (OGM).

Por questões de segurança, também é importante observar a distância em que as colmeias ficarão posicionadas em relação a casas e outras locais frequentados por pessoas. O ideal é uma distância de cerca de 500 m, que também deve ser observada em relação a criação de animais.

 

Registro dos apiários

As colmeias devem ser numeradas de forma progressiva para permitir os registros de produção individualizados. A numeração deve ser feita no ninho, em local de fácil visualização. O apiário também tem de ser identificado por número ou nome, para permitir a rastreabilidade da produção.

A área do entorno do apiário deve ser conhecida, devendo-se relatar a existência de culturas intensivas nas proximidades do apiário, principalmente quando se fizer uso de defensivos agrícolas na área. Para evitar o risco de acidentes, recomenda-se a prática de manejos especiais durante o período de pulverizações.

As colmeias ou os apiários também precisam ser marcados em caso de enfermidades. Nestas situações, o apicultor deve procurar ajuda técnica especializada para saber quais as medidas recomendadas para a situação. Apenas produtos autorizados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) podem ser utilizados.

 

Floradas

O conhecimento sobre as floradas da região deve guiar a maior parte das ações de manejo, já que a produtividade estará diretamente ligada ao máximo aproveitamento dos períodos de florada.

Para alcançar o maior rendimento possível, as colônias precisam estar fortes e sadias nos momentos de maior produção de néctar. Para isso, o apicultor precisa sincronizar o manejo das colmeias com a época adequada à sua realização. Manejos realizados fora da época comprometem a produção e reduzem o lucro dos apicultores.

A diversidade da florada é um fator essencial para a instalação e manutenção de um apiário. Há a necessidade de identificar as espécies do entorno, plantar as espécies adaptadas e típicas da região, plantar espécies que possuem períodos de floração diferenciados a fim de prover recursos alimentares por todo o ano. Se possível, evitar a dependência de monoculturas, já que os essas ofertam recursos em determinadas épocas do ano e há o risco de contaminação dos enxames pela aplicação de defensivos agrícolas.

 

A rainha

Ela cumpre um papel fundamental na condução da colmeia e sua atuação deve ser acompanhada com atenção, pois pode ser necessário trocá-la por uma mais jovem.

Uma rainha jovem e de boa genética garante um crescimento rápido da colônia, enquanto uma rainha velha pode demorar para responder ao estímulo da florada para aumentar a taxa de postura de ovos, o que vai prejudicar o crescimento da população e a produção.

Para sua substituição, o apicultor deve utilizar os serviços de criadores idôneos que façam uma seleção criteriosa para produção de rainhas fortes e resistentes às doenças.

A troca deve ser realizada em um momento apropriado, pois a substituição resulta em mudança de comportamento. Uma troca numa colmeia que está em plena produção pode fazer com que as operárias coloquem mel nos favos de cria, diminuindo o espaço disponível para a postura.

 

Materiais

A Confederação Brasileira de Apicultura (CBA) adota o padrão de colmeias Langstroth, que permite que as partes externas sejam impermeabilizadas com parafina de grau alimentar ou cera de abelha, que devem ser diluídas em óleos vegetais.

As indumentárias e utensílios apícolas devem ser mantidos limpos, em perfeito estado de conservação e guardados em local livre de contaminantes, como defensivos agrícolas, combustível e fertilizantes.

O material que será utilizado no fumigador deve ser de origem vegetal e não pode ser tratado com produtos químicos, devendo proporcionar fumaça fria, densa e sem cheiro forte.

Todos os procedimentos de limpeza e higiene devem estar descritos para que as pessoas envolvidas sigam os mesmos passos.

 

Manutenção das colmeias

Um dos principais desafios para o apicultor é garantir a continuidade de suas colmeias nos períodos em que ocorre escassez de alimentos, como ao final das floradas. Nessas ocasiões, a perda do enxame pode chegar a 40%.

Oferecer uma alimentação artificial é uma forma de impedir que as abelhas abandonem as colmeias. Aconselha-se a utilização de xarope com 50% de açúcar ou mais, na falta de néctar, e com farinha de soja, para suprir a ausência de pólen.

Colocar rapadura nas colmeias não é recomendável. É um alimento muito seco e duro, que demorará para ser consumido e que vai acabar atraindo inimigos naturais como formigas.

A união de colmeias também é uma medida interessante para que fiquem mais populosas. Assim, diminui-se o número de colmeias, mas aumenta o número de abelhas disponíveis para a coleta de alimentos. Normalmente, as colmeias mais populosas são as mais produtivas e as que menos apresentam problemas.

 

Melhoramento genético

Atualmente existem diversas técnicas de melhoramento genético das abelhas, mas a mais simples está na substituição periódica de rainhas e no acompanhamento e seleção de material genético superior em produtividade.

Para identificar as colônias com melhor desempenho, é preciso usar métodos padronizados e confiáveis. Na avaliação da produtividade do mel e do pólen, por exemplo, um registro deve acompanhar a quantidade por colônia. Observam-se também outras qualidades importantes, como a resistência a doenças.

Para fazer a inseminação, são necessários equipamentos especiais e profissionais treinados. No entanto, mesmo diante do alto custo o melhoramento genético pode promover avanços na produção, se aliado às técnicas de manejo adequadas.

 

Colaboradores

Para trabalhar diretamente no manejo das colmeias, todos os colaboradores devem passar por um treinamento completo de boas práticas apícolas. Além disso, é muito importante que todos estejam em perfeita saúde.

É vedada a participação no processo de pessoas que estejam com gripe, infecções gastrintestinais ou cutâneas. Hábitos anti-higiênicos, como tossir ou espirrar sobre as melgueiras ou favos também devem ser terminantemente evitados.

 

Cuidados na coleta e transporte de mel

Descuidos na coleta e transporte dos favos de mel podem comprometer a qualidade do produto, causando alterações no gosto e na composição.

Além do cuidado extremo com a higiene de todos os materiais, a coleta deve ser feita apenas em dias ensolarados e as melgueiras jamais devem ser colocadas diretamente sobre o solo, mas sobre bandejas. Os favos precisam ter no mínimo 80% de sua área operculada e não pode haver presença de crias e pólen.

A fumaça deve ser usada com parcimônia e não pode ser direcionada para dentro da colmeia ou sobre os favos de mel. Essa medida impede que o mel absorva o cheiro e o gosto da fumaça.

As melgueiras devem ser transportadas em veículo fechado. Caso se utilize um carro aberto como uma picape, uma lona clara plástica e devidamente higienizada deve forrar o piso da caçamba e cobrir as melgueiras.

 

Higienização de equipamentos e asseio pessoal

Além da importância já citada, vale destacar algumas boas práticas a serem adotadas nos processos de extração de mel:

Para a higienização de equipamentos:

Para a higienização pessoal:

Cuidados com o uniforme:

 

Beneficiamento e comercialização

Ao local onde ocorre a extração do mel dá-se o nome de unidade de extração dos produtos das abelhas (Uepa), popularmente conhecida como “Casa de Mel”. Lá o produto é retirado, centrifugado, peneirado e decantado para separação de sujidades.

Sua construção deve obedecer às normas sanitárias da portaria nº 6, de 25 de julho de 1985[1], do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Já ao entreposto, cabe o beneficiamento do mel, no que diz respeito à padronização e melhoria do produto final. São compreendidas etapas de homogeneização – em relação à sua cor, aroma e sabor –, descristalização, retirada do excesso de umidade e nova decantação.

Atendidas essas exigências, a estrutura estará apta para requerer o Selo de Inspeção Federal (SIF), emitido pelo Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal (DIPOA), conferindo garantia de qualidade dos produtos de abelhas e derivados, além de sua aprovação para exportação.

 

Caderno de campo

O desenvolvimento do setor agropecuário trouxe novas exigências aos produtores para a garantia dos produtos. A utilização correta do caderno de campo é forma mais simples para o apicultor comprovar a qualidade de sua produção.

Por meio de seus registros, é possível conhecer o histórico do produto. O Programa de Alimento Seguro (PAS) do Senai/Sebrae elaborou uma proposta de caderno de campo bem simples, com as anotações necessárias e importantes, que registram os possíveis riscos de contaminações da produção.

Este caderno faz parte do conjunto de materiais desenvolvidos para apoiar o setor apícola no atendimento às exigências da União Europeia, mas especificamente a implantação das Boas Práticas e Análise dos Perigos e Pontos Críticos de Controle do campo ao entreposto de mel.

 

 

Confira o modelo de caderno de campo no Guia de Uso e Aplicação de Normas da Cadeia Apícola[2], elaborado pelo convênio ABNT/SEBRAE.

Neste link[3] você pode obter mais informações no Manual de Segurança e Qualidade para Apicultura.

Compartilhe:
Endnotes:
  1. portaria nº 6, de 25 de julho de 1985: http://extranet.agricultura.gov.br/sislegis-consulta/consultarLegislacao.do?operacao=visualizar&id=7916
  2. Guia de Uso e Aplicação de Normas da Cadeia Apícola: http://portalmpe.abnt.org.br/index.php/biblioteca-de-arquivos/18-biblioteca-digital/guias/74-guia-de-uso-e-aplicacao-de-normas-da-cadeia-apicola
  3. link: http://www.sebrae.com.br/setor/apicultura/sobre-apicultura/producao/familias-de-abelhas/manual_de_seguranca_apis.pdf

Source URL: http://abelha.org.br/manejo-apicola/