geoApis – Plataforma digital cria rede de apicultores e contribui para boas práticas no campo

geoApis – Plataforma digital cria rede de apicultores e contribui para boas práticas no campo

5 de fevereiro de 2018

A tecnologia aliada a uma nova cultura colaborativa pode ajudar a fortalecer a apicultura e proteger as abelhas no Brasil. Essa é a proposta da geoApis, uma plataforma digital inovadora que cria uma rede integrando associações apícolas e produtores de mel. A ferramenta permite o compartilhamento de informações de forma colaborativa, contribuindo para a profissionalização e melhor eficiência dos apiários.

A geoApis é um novo sistema de informação comunitária desenvolvido pela Associação Brasileira de Estudo das Abelha (A.B.E.L.H.A.) em parceria com o Centro de Referência em Informação Ambiental (CRIA) e a MD Educação Ambiental. O sistema, acessível via site na internet e aplicativo móvel, nesta etapa piloto, está sendo construída em parceria com associações apícolas do Estado de São Paulo.

Por meio da participação voluntária, os produtores das associações participantes fornecem, via aplicativo móvel (disponível apenas para sistema Android), a localização de seus apiários e informações básicas, como a quantidade de colmeias, se são fixos ou migratórios e floradas nos arredores. Esses dados são visualizados num mapa online que servirá de base para geração de informações técnicas, realizada pela equipe da geoApis, que será disponibilizada aos apicultores.

Decisões mais assertivas
Com apoio de ferramentas de georrefereciamento e metodologias científicas, o time de consultores analisa os dados dos apiários e a vegetação disponível nos arredores. Comparando com a localização de colmeias de outros produtores locais, é possível avaliar se há superpovoamento de colmeias nos arredores ou carência de pasto apícola, condições que comprometem a produtividade. Também é possível avaliar quais são as lavouras presentes no entorno, o que pode ajudar na construção de um diálogo entre agricultores e produtores de mel.

Feitas as análises, são organizadas as discussões colaborativas com os apicultores e associações apontando o que pode ser melhorado – incluindo a indicação de novas áreas para instalação dos apiários. O diferencial da geoApis está nesse trabalho presencial e em conjunto com os produtores e associações. Esse contato é contínuo.

A decisão sobre o local de instalação das colmeias é uma das mais importantes para o sucesso da atividade. Agora, com a geoApis, os apicultores poderão decidir em conjunto e elevar a produtividade.

“A dinâmica da geoApis é a mesma de aplicativos colaborativos, como Waze e Foursquare, que criam uma rede que potencializa o senso de comunidade. Quanto mais participantes, mais profundos serão os conhecimentos gerados”, explica Ana Assad, diretora-executiva da A.B.E.L.H.A. “Com mais informações em mãos, os apicultores e meliponicultores conseguem tomar melhores decisões e aprimorar o diálogo nas associações e com os agricultores.”

“Um diferencial da plataforma é que ela é fruto da colaboração com as entidades, apicultores e comunidade científica, compondo uma rede humana que pode provocar grandes transformações no setor e fomentar desenvolvimentos futuros”, comenta Dora Canhos, diretora associada do CRIA.

Os produtores decidem se as informações de seus apiários serão públicas (visíveis para os demais membros da associação e para o público em geral) ou não. “Muitos produtores ainda são reticentes em informar a localização de suas colmeias por diversas questões. Mas esperamos que a geoApis ajude a mudar essa cultura, o que colaboraria muito no desenvolvimento da atividade. Inclusive, com a construção de uma convivência mais harmônica entre apicultura e agricultura”, avalia Ana Assad.

Outras funcionalidades
A plataforma também oferece uma interface de acesso público (www.abelha.org.br/geoapis) com um mapa online que apresenta informações derivadas dos dados de georreferenciamento dos apiários. O mapa permite conhecer a quantidade de produtores, apiários e colmeias por município (mas a localização e dados de cada apiário não são fornecidos), além de identificar regiões de produção de mel e outros produtos apícolas e municípios onde existem associações de apicultores organizadas. Futuramente esse mapa online poderá subsidiar a definição de políticas públicas para potencializar a conservação da biodiversidade.

Na interface pública, o usuário também tem acesso a informações que podem estimular a profissionalização dos produtores. Há diversos materiais educativos sobre abelhas, boas práticas de manejo apícola, associativismo, guia de plantas visitadas pelos polinizadores, entre outros temas. Há também uma ampla biblioteca com a legislação da atividade e outras publicações sobre apicultura e meliponicultura.

A geoApis hoje

Até o momento, a plataforma integra dados de 8 associações e de 58 apicultores, com 4.127 colmeias distribuídas em 231 apiários georreferenciados no Estado de São Paulo.

Quem pode participar

A geoApis dá preferência para a participação de apicultores e meliponicultores que integrem associações de produtores locais. “Queremos destacar o papel dessas entidades no desenvolvimento e consolidação dessa atividade melífera”, explica a diretora-executiva da A.B.E.L.H.A. Inicialmente, a plataforma está disponível apenas no Estado de São Paulo. Futuramente será ampliado para outras regiões do País.

As associações que tiverem interesse em participar devem entrar em contato pelo e-mail geoApis@abelha.org.br. A equipe da geoApis irá pessoalmente na entidade apresentar a plataforma, formalizar a parceria e dar treinamento.

Os produtores que aceitarem compartilhar seus dados poderão fazer o georreferenciamento e o fornecimento de informações de seus apiários por meio de um aplicativo para celulares com sistema Android. Caso não tenha um smartphone apto para rodar o aplicativo, o georreferencimento será feito por uma equipe da associação ou da própria geoApis.

Uma parte dos dados coletados é sigilosa e somente pode ser visualizada na plataforma por meio da interface de acesso exclusivo aos apicultores e associações por meio de identificação e senha.

Compartilhe: