Bahia potencializa cadeia produtiva da abelha

Bahia potencializa cadeia produtiva da abelha

21 de setembro de 2015

As pesquisas produzidas no Laboratório de Abelhas (Labe) do Centro Tecnológico da Agropecuária do Estado da Bahia (Cetab) incentivam a cadeia produtiva do mel na Bahia, evidenciando a forte tendência para agroindustrialização dos produtos das abelhas e para a ampla receptividade no mercado. Os estudos com mel, pólen, própolis e extrato de própolis indicam diversas propriedades farmacológicas, características que também atraem a atenção de indústrias de medicamentos e cosméticos, entre outras.

“A Bahia tem potencial para produzir em larga escala todos os produtos das abelhas porque possui mercado e demandas que emergem das indústrias”, afirma a bióloga Marília Melo, responsável pelo Labe. Os resultados das pesquisas realizadas no Cetab incentivam a produção com qualidade e o consumo desses produtos pela população baiana. “Existem trabalhos acadêmicos produzidos no laboratório e publicados que comprovam que o pólen possui propriedades antioxidantes e, cardiotônicas, entre outras”.

Na Bahia, a produção mais comum é de abelhas do tipo Apis mellifera. A criação de abelhas nativas, as Meliponas, mais conhecidas como abelhas sem ferrão, ainda é pouco difundida no Estado. Com as pesquisas realizadas foi possível conduzir projetos no sentido de valorizar a tradição de produzi-las. “A Apis tem capacidade de adaptação em ampla diversidade de ambientes e produz grande quantidade de mel, por isso os produtores se sentem mais atraídos a criá-las, mas o mel das abelhas sem ferrão, além de possuir valor agregado muito maior na comercialização dos produtos das abelhas, tem grande potencial de mercado”, afirmou Marília.

A farmacêutica Alvanice Lins, subchefe do Cetab, defendeu recentemente em sua dissertação de mestrado que “o pólen das abelhas sem ferrão é um produto natural que vem se destacando por suas propriedades terapêuticas e nutricionais”. O estudo teve o objetivo de determinar o teor de compostos fenólicos (grupo de antioxidantes que combatem o envelhecimento celular – radicais livres), flavonoides (compostos químicos que possuem diversos benefícios para a saúde do corpo humano) e o potencial antioxidante das amostras de pólen de abelha Melipona scutellaris, oriundas de meliponários localizados no Litoral Norte da Bahia, além de avaliar a aceitabilidade como suplemento alimentar.

O Laboratório de Abelhas oferece serviços de análises físico-químicas de méis e pólen, com baixo custo, e os de própolis e extrato de própolis estão em fase de implantação. Além disso, realiza também pesquisas sobre a caracterização nutricional e terapêutica de produtos das abelhas e desenvolve tecnologia para o beneficiamento por refrigeração para mel e pólen, com baixo custo.

Fonte: Página Rural

 

Compartilhe: